Problemas do conhecimento …

Eu sou o sujeito. A cadeira é o objeto. Não sei a sua cor, não a conheço especialmente. Não faço a menor ideia do que ela é, e nunca vou saber. É conhecida, mas não a conheço… Nem sei se ela existe! Ela sempre aqui esteve, está aqui agora, mas só agora é que reparo, é que me concentro nela. Não faço ideia se ela se mexe sozinha quando viro as costas, não confio nela e não pretendo confiar, no entanto sento-me nela todos os dias. A minha relação com a cadeira nunca me foi relevante, e não é agora que irá começar a ser. A cadeira é o que eu quero que seja, e nada mais para além disso.

Íris Veiga

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

Dia Mundial da Filosofia

Em 2002, a UNESCO, durante a 33ª sessão da Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação Ciência e Cultura (UNESCO), instituiu a celebração do Dia Mundial da Filosofia na terceira quinta-feira do mês de Novembro de cada ano, ciente da importância que o questionamento filosófico assume para o diálogo entre os povos.

Mensagem de Irina Bokova, diretora-geral da UNESCO, por ocasião do Dia Mundial da Filosofia, 20 de novembro de 2014:

dia-mundial-filosofia-destaque-720x220“O Dia Mundial da Filosofia oferece uma oportunidade para enfatizar mais uma vez a importância do pensamento crítico para a compreensão das mudanças na sociedade contemporânea. A mudança força-nos a encontrar novas formas de conviver e construir sociedades mais justas, mas também pode corroer a confiança e provocar tensão. Nessas circunstâncias, a filosofia é uma preciosa aliada, que se baseia no raciocínio reflexivo e engajamento no diálogo, para abrir nossas mentes a uma ampla variedade de opiniões e pontos de vista. Essa mudança de foco é crucial em um mundo de diversidade crescente. Isso é o fundamento sobre o qual a tolerância e a paz repousam, bem como um meio de liberar a energia criativa que faz as sociedades avançarem, respeitando os direitos humanos.”

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

“Viver das aparências” – Rita Henriques

Tese de Filosofia

“Defender o Indefensável”

Viver das Aparências

 

“O meu nome tem origem no Latim, vem de APPARENTIA, de APPARERE, que significa surgir, aparecer, mostrar-se, apresentar-se, fazer-se visível. Segundo o dicionário da língua portuguesa, sou o aspecto ou aquilo que se mostra superficialmente ou à primeira vista. Mas no fundo sou a armadura que protege a personalidade da selva a que muitos chamam Terra. Sou a aparência.”

Para um mundo que julga, distingue, que diferencia em função de determinados modelos de comportamento, e até de aspecto exterior, nada mais lógico que nos entregarmos de corpo e alma ao conceito: viver das aparências.

Hoje em dia a vida acaba por ser uma busca sedenta por sucesso. E, por isso, há que manter uma certa aparência, um véu que separa o “mundo de feras” do verdadeiro “eu”. Senão não sobreviveria ninguém a constantes atentados e julgamentos por parte do outro.

Porquê mostrar o que és, se podes mostrar aquilo que querem que sejas? Afinal de contas, para quê tentar escapar de estereótipos aos quais facilmente te adaptas? Da religião à moda, das amizades às festas, da família à educação é-se vítima de certos padrões impostos pela sociedade e em vez de tentar vencê-los, ou de tentar enfrentá-los, deve ser feita uma adaptação ao habitat em que se reside de forma a sobreviver com sucesso. Vestires certas marcas, relacionares-te com aquelas pessoas, estar naquelas festas, ir à igreja, tirar boas notas, no fundo, apresentares ao mundo o verdadeiro sonho de personalidade é como se estivesses protegido de qualquer predador: não há pontos fracos evidentes. Funciona como camuflagem.

Viver das aparências assemelha-se a viver coberto por um manto de invisibilidade, ocultam-se fragilidades e características do “eu”. Sobreviver é o objectivo, é o pote recheado de lingotes de ouro no final do arco-íris. Sim, porque a seguir à tempestade que é esconder ambições, gostos e ideias, vem a bonança, denominada por muitos de “sucesso” e “felicidade”.

Como dissera outrora o príncipe de Marcillac, François de la Rochefoucauld “O mundo recompensa com mais frequência as aparências do mérito do que mérito em si.” Os que vencem são aqueles que iludem o mundo. Funcionam quase como artistas da arte barroca: tal como o pintor usa a obra para atrair os que a contemplam através de riqueza e forte sedução, o individuo utiliza a sua imagem. Uma boa aparência é uma mais valia, e os que se deparam com ela sentem-se tentados a ser iguais.

É claro que exige esforço guardar a essência do ser, opiniões e crenças. Mas limitar o pensamento de forma a reflectir de forma semelhante ao outro acaba por simplificar a estadia nesta realidade surreal. É mais fácil vestir uma pele que não a nossa, mas que seja bem aceite pela sociedade.

Se está enraizada a nível global uma sociedade que tende a moldar e esbater a individualidade, porquê lutar contra a maré? Viver das aparências é engenhoca quase certa para atingir sucesso, é fornecido aos olhos dos outros a imagem desejada e saímos ilesos num confronto corpo-a-corpo com o mundo doido em que habitamos.

O importante é aparentar uma vida cheia de cores e sabores. Já dizia Maquiavel “Todos vêem o que pareces e poucos o que és”, mais não podia ter dito o historiador, porque o que verdadeiramente é valorizado corresponde à nossa imagem e à mensagem que transmitimos através do nosso aspecto, atitudes e estilo de vida. E como consequência, muitas vezes surgem oportunidades que de outra forma nunca iriam surgir.

“A minha existência começava a espantar-me seriamente. Não seria eu uma simples aparência?” Friedrich Nietzsche

Rita Henriques

11ºC, nº15

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

2013 – Uma iniciação à Filosofia.

No mundo da Filosofia …
Brilhante imagem de Manuel Gusmão!
“Fascina-me esta ideia de que temos todos um cinema metido na cabeça. Um cinema que implica a produção do filme, a câmara que filma, o projector que envia uma torrente de luz para o ecrã, os espectadores que estão entre o projector e o ecrã. Temos isto tudo na cabeça, e quando olhamos para o mundo, tudo isto se põe em movimento, a funcionar. O cinema é a nossa maneira natural de criar imagens sobre o mundo.”

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter